Solicite um Orçamento: (11) 4824-2850 Telefone

Blog

>> >>

Blog

Fique por dentro das novidades sobre nossos produtos e diversos outros assuntos relacionados a nossa área de atuação.

ISOLAMENTOS TÉRMICOS: A IMPORTÂNCIA DE UMA BOA CONSULTORIA.

09 de Janeiro de 2015 Data

Isolamentos térmicos de equipamentos ou dependências, requerem projetos muito bem elaborados. Eles são necessários para minimizar fluxos de calor a fim de garantir segurança contra condensação, economizar energia e até mesmo conforto térmico. E, como você deve imaginar, em qualquer um destes casos, uma simples falha pode gerar prejuízos imensuráveis.

Uma boa consultoria em isolamentos térmicos consiste na elaboração de um projeto adequado às  necessidades apresentadas. E não trata-se apenas da execução, mas principalmente de toda a especificação do projeto.

Profissionais especializados são capazes de identificar as características do material isolante adequado, considerando: sua capacidade higroscópica, a massa específica para a aplicação, resistência mecânica compatível com o uso, incombustibilidade, estabilidade química, cálculo da espessura do isolante (levando em conta as limitações de temperatura e questões econômicas) e, em casos de isolamentos de tubos, o raio crítico.

Devem ser considerados os seguintes procedimentos:

1) Projeto, especificação e execução do revestimento térmico.
2) Análise e consultoria técnica para reforma de equipamentos.
3) Cálculos térmicos comparativos.
4) Engenharia de aplicação.
5) Supervisão e aplicação do revestimento com mão de obra especializada.

Outro ponto crítico é a qualidade do material utilizado. Certifique-se de contratar uma empresa que trabalhe apenas com materiais de ótimo desempenho.

A Isorevest dispões de excelentes profissionais e garante o melhor custo x benefício para o seu projeto. Entre em contato e solicite um orçamento.

Leia mais +

Fique por dentro das novidades sobre nossos produtos e diversos outros assuntos relacionados a nossa área de atuação.

COMO PRESERVAR CÂMARAS FRIAS?

06 de Janeiro de 2015 Data

A temperatura de armazenamento de alguns tipos de produtos é um dos fatores determinantes na sua qualidade. Alimentos e medicamentos, por exemplo, dependem muito disso. Nestes casos, tão importante quanto a elaboração e execução do projeto de uma câmara fria, é a sua manutenção, que deve ser constante e competente.

Boas práticas de utilização da câmara fria ajudam consideravelmente no seu desempenho e preservação, não só em relação ao investimento que o sistema representa, mas principalmente na garantia de que, ao longo do tempo, sua performance e durabilidade permanecerão intactas, bem como a preservação daquilo que encontra-se estocado.

1) Evite a entrada de produtos “quentes”. Câmaras frias são para produtos “pré-resfriados” e “pré-congelados”, sendo assim, conservarão apenas os produtos que entrarem com temperatura próxima a que deve ser mantida.

2) Ultrapassar a capacidade máxima de armazenagem dos produtos ao qual a câmara foi dimensionada, nem pensar.

3) Não misture os produtos a serem conservados no interior das câmaras, cada um possui sua temperatura adequada de conservação.
 
4) Lembre-se: luzes internas deverão ser apagadas quando as câmaras não estivarem sendo utilizadas.

5) As portas das câmaras devem permanecer fechadas o máximo possível. Portanto, evite deixar a porta da câmara aberta por períodos longos. Esta prática não só cria problemas para o seu conteúdo interno, pela entrada de ar quente e úmido, mas também provoca o acúmulo de gelo no evaporador. Esse gelo excessivo impede que o sistema de refrigeração funcione com 100% de sua eficiência até o próximo período de degelo.

6) Em situações onde as portas das câmaras não podem ficar fechadas, opte pela instalação de cortinas de PVC. Elas excluem a necessidade constante da reposição do frio, reduzindo o consumo de energia já que a perda é mínima.

7) Evite obstruir a circulação de ar na saída dos evaporadores. Além de não garantir a uniformidade da temperatura no interior da câmara, provocará também um maior acúmulo de gelo no evaporador.

8) Ajuste corretamente a duração e os intervalos de degelo.
 
9) Observe constantemente se não há acúmulo de gelo no evaporador. Havendo resistência elétrica queimada, substitua com urgência, caso contrário poderá haver retorno de líquido na sucção do compressor.
 
10) Evite que a água do degelo fique no interior da câmara, pois além de ocupar área útil em seu interior com o acúmulo do gelo no piso, o mesmo fica escorregadio podendo provocar acidentes.

Cuidados como estes são necessários, mas rotinas de manutenção (preventiva e corretiva) são fundamentais e devem ser estabelecidas mensal, trimestral, semestral e anualmente. Dentre as atividades, estão: verificar o isolamento térmico da estrutura, a existência de trincas/fissuras/quebras, o acúmulo de detritos, o estado e pressão das maçanetas das portas, o deslizamento das portas ao abrir e fechar, vazamento de óleo no evaporador e no sistema, entre outros.

Leia mais +
Os mais lidos
Os mais recentes
Veja também

Clientes

É com grande orgulho e satisfação que trabalhamos para clientes conceituados em diversos segmentos de mercado. Conheça aqui algumas empresas que confiam na qualidade IsoRevest.